Acervo Museológico

O acervo do MUSEAR soma mais de dois mil objetos, classificados em 13 categorias: adorno plumário, indumentária, arma, artefato ritual, cerâmica, corda e cordão, instrumento musical, material lúdico, tecelagem, trançado, utensílio e implemento, material arqueológico e suporte técnico. Do total do acervo, 770 são objetos de povos indígenas habitantes originários no estado de Mato Grosso e 179 objetos de povos indígenas de outros estados. Os objetos são arqueológicos e etnológicos provenientes da colaboração de vários povos indígenas, de pesquisadores e colecionadores particulares. 

Na década de 1980, o acervo tinha aproximadamente 500 objetos, sem catalogação, provenientes das incursões dos Vilas Boas no Xingu e das missões jesuíticas no Utiariri, “outrora uma das estações telegráficas estabelecidas pela Comissão Rondon que, após o término do interesse pelas linhas telegráficas nas políticas de expansão do país, fora ocupada pelas missões jesuíticas com a finalidade de amansar e catequizar os índios da região sendo, inclusive, erguido um internato para que as crianças indígenas fossem batizadas, seus nomes substituídos e alfabetizadas em português sem receber catalogação (SOUZA, 2015, p. 102, 2016)

O acervo do museu possui objetos atribuídos a aproximadamente sessenta etnias distribuídas por quinze estados do território brasileiro, algumas delas presentes em países vizinhos, tais como Paraguai, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Venezuela, Suriname e Peru. Conforme o estudo de Souza (2015, P. 102), museólogo e antropólogo do MUSEAR, “toda a produção material coletada dessas quase sessenta etnias é classificada em treze categorias diferentes, relativas tanto a sua composição material quanto ao seu uso” [...] “Dentro de um total de 2.372 peças, 866 (36,5%) não possui etnia atribuída no inventário museológico, mas apenas oito peças não estão classificadas em nenhuma das treze categorias descritivas adotadas para a catalogação (SOUZA, 2015, p. 102, 2016).


Bibliografia Consultada


SOUZA, Ryanddre Os Museus e os Outros: Uma etnografia das classificações, alteridades e agenciamentos no Museu Rondon de Etnologia e Arqueologia da UFMT. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social). 195 fls. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, Mato Grosso, 2016.

SOUZA, Ryanddre. Para uma Antropologia dos agenciamentos e visibilidades: objetos, discursos e alteridade no Museu Rondon de Etnologia e Arqueologia da UFMT. Campos - Revista de Antropologia, [S.l.], v. 16, n. 2, p. 94-112, dez. 2015. ISSN 2317-6830. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/campos/article/view/48254>. Acesso em: 19 out. 2021. doi:http://dx.doi.org/10.5380/campos.v16i2.48254.


Logo da UFMT
Câmpus Cuiabá

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-8000

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Araguaia

Unidade I - Pontal do Araguaia
Avenida Universitária, nº 3500
Pontal do Araguaia - MT
CEP: 78698-000

(66) 3402-1108

Unidade II - Barra do Garças
Avenida Valdon Varjão, nº 6390
Barra do Garças - MT
CEP: 78605-091

(66) 3402-0736

Funcionamento Administrativo 08:00 às 11:30 e das 14:00 às 17:30 (horário local)

Câmpus Sinop

Avenida Alexandre Ferronato, nº 1200
Bairro Residencial Cidade Jardim - Sinop - MT
CEP: 78550-728

(66) 3533-3100

(66) 3533-3122

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Várzea Grande

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-6296

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30