Histórico

Apresentação

Denominação: Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Denomimação antiga: Programa de Pós-Graduação em Zootecnia na Transição Cerrado Amazônia (modificado em 29 de junho de 2012, Ofício CAA no 169-16/2012/CAA I/CGAA/DAV/CAPES, de 29 de junho de 2012).

Código CAPES: 50001019033P7 Nível: Mestrado Acadêmico

Área de Concentração: Zootecnia

Linhas de Pesquisa: Produção Animal; Melhoramento Genético e Reprodução Animal; Nutrição e Alimentação Animal

Vinculação: Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais (ICAA) do Campus Universitário de Sinop da Universidade Federal de Mato Grosso.

Parceria: Embrapa Agrossilvipastoril com sede em Sinop-MT

Reunião de aprovação pelo CTC/CAPES: 130ª reunião, entre os dias 24 e 27 de outubro de 2011

Data do parecer da CTC/CAPES para implantação: 25 de outubro de 2011

Conceito CAPES/2017: 03

Periodicidade da seleção: uma vez ao ano

Crétitos exigidos: mínimo de 24 créditos

Tempo máximo para integralização dos créditos e defesa: 24 meses

Número de docentes permanentes: 14

Coordenação: Prof. Dr.  Anderson Corassa (coordenador) e Prof. Dr. André Soares de Oliveira (vice-coordenador)

Contato: ppgzootecnia@ufmt.br

Endereço: Secretaria do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, Bloco das Coordenações, Campus Universitário, Universidade Federal de Mato Grosso, Avenida Alexandre Ferronato, nº 1.200 Bairro: Setor Industrial – Sinop, MT, CEP: 78.557-267.


Histórico

O ano de 2020 foi um dos anos mais difíceis do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia do Campus de Sinop da UFMT em função das repercussões da pandemia de COVID-19 e de outros fatores. A necessidade de mudança abrupta na condução das atividades exigiu enorme esforço de docentes, discentes e colaboradores do programa na busca da redução dos prejuízos causados pelo coronavírus. Tal esforço foi recompensado pela continuidade das disciplinas, pesquisas e bancas avaliativas que permitiram a qualificação de mais um grupo de cidadãos ao final deste ano.

No ano anterior o programa havia comemorado a marca de 100 defesas de dissertação de mestrado em Zootecnia, através do evento comemorativo que contou com a presença da Pró-Reitora de Pós-Graduação profa. Ozerina Victor de Oliveira (UFMT); Coordenador CAPES dos programas de pós-graduação nacional da área de Zootecnia e Recursos Pesqueiros prof. Ronaldo Lopes Oliveira (UFBA), além de autoridades locais. O evento foi realizado visando divulgar todo legado do programa junto à sociedade, agradecer a todos os envolvidos e projetar os próximos passos.

O compromisso do PPGZ de Sinop com sua missão e objetivos vem de longa data e está fortemente estruturada nos aspectos regionais de um dos locais mais prósperos da nação brasileira. O estado de Mato Grosso, com área de 903.357,908 Km2 - é a terceira maior unidade federativa do Brasil, representando 56,23% da Região Centro-Oeste e 10,61% de todo o território brasileiro. Quanto à sua formação como federação da União, pode-se considerar dois momentos: em 1750 foi incorporado ao Brasil pelo Tratado de Madri e, em 1977, o antigo Mato Grosso foi dividido entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A população, estimada em 3.526.220de pessoas no ano de 2020, é distribuída em cinco mesorregiões e 141 municípios. O estado apresentou na última década a maior taxa de crescimento econômica entre as unidades da federação (IBGE, 2018).Com um PIB de R$137,44 bilhões (2018) e balança comercial de US$17,87 bilhões (2020) o estado é destaque nacional, cujo agronegócio representa 50,5% do PIB, sendo a maior participação entre as unidades da federação (IMEA, 2020).Segundo dados do Censo Agropecuário (IBGE, 2018), no ano de 2017 havia no estado 95001estabelecimentos agropecuários voltados à pecuária e criação de outros animais em Mato Grosso.

O estado, além de liderar a produção de grãos no Brasil, detém o maior rebanho de bovinos, com 31milhões de animais no ano de 2020 (13,6% do total). A participação relativa do estado no abate nacional chega a 6,71% (ABPA, 2020) com estimativa de 3,2milhões de cabeças abatidas e 141 mil matrizes alojadas, compreendendo o quinto maior rebanho, sendo que a região norte do estado, onde a UFMT Sinop está inserida, responde por 84% do rebanho de suínos do estado (ABCS, 2016). Isso se deve ao significativo crescimento na produção de carne suína que foi de 47% em termos de cabeças abatidas e 55% em volume de carne ocorrida entre 2011 e 2016.A avicultura mato-grossensse é também um caso de sucesso, respondendo por cerca de 4,11% do abate nacional de frangos de corte sendo o sétimo colocado no ranking nacional (ABPA, 2020) cujas projeções sugerem aumento na ordem de 85% no número de aves abatidas no estado até 2025 (ImeaOutlook 2025). Embora responda por 506 milhões de litros de leite inspecionado em 2019 (Anuário Leite 2020), houve expressivo crescimento na última década, colocando o Estado como 9ºmaior produtor nacional e segundo maior produtor da Região Centro-Oeste. Destaca-se o sistema cooperativista como responsável por 56,8%do leite captado no Estado, presente em 79% dos municípios e contando com a participação de mais de12% da população economicamente ativa.

Atualmente, o estado do Mato Grosso é atendido por duas universidades públicas a Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT) e a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), instituição estadual e federal, respectivamente. A UFMT, instituída sob a forma de Fundação, foi criada pela Lei no 5.647, de10 de dezembro de 1970, pela fusão do Instituto de Ciências e Letras de Cuiabá com a Faculdade Federal de Direito de Cuiabá, atende a mesorregião Centro Sul, com os cursos da sede, situada na capital Cuiabá.

Atualmente a UFMT possui 1837 professores ativos e 25.435 estudantes matriculados. Em Sinop, o Campus Universitário de Sinop (CUS), é um Campus avançado da UFMT, localizando-se a500 km de Cuiabá, na mesorregião Norte do Estado de Mato Grosso. O CUS foi criado, sob denominação de Instituto Universitário do Norte Matogrossense -IUNMAT, por meio da Resolução do Conselho Diretor nº 27/1992 e implantado em Sinop em 1993 com o objetivo de oferecer à região a formação de profissionais voltados para a pesquisa e o magistério, a integração dos conhecimentos de excelência noi nterior do Estado e a colaboração no desenvolvimento da região, foi fruto de reivindicações da população e de autoridades locais. Atualmente, o Campus ocupa uma área de 60 ha no município de Sinop. O CUStem localização privilegiada na mesorregião Norte Mato-grossense devido, entre outros fatores, à sua inserção e proximidade com os biomas Cerrado, Floresta Amazônica e transição.

Em razão da vocação econômica e sócio-cultural, o Campus investiu inicialmente na consolidação de graduações relacionadas à agropecuária, à saúde e à formação de professores, áreas carentes de recursos humanos na região. Em 2006, em virtude do trabalho realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso em Sinop e do projeto de expansão das Universidades Federais do Ministério da Educação, o CUS iniciou suas primeiras turmas regulares nos cursos de Agronomia, Enfermagem, Engenharia Florestal, Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática (habilitação em Física, Química ou Matemática), Zootecnia e Medicina Veterinária.

Em 2008, o campus abriu vagas no concurso vestibular para outros dois novos cursos: Farmácia e Engenharia Agrícola e Ambiental. Ainda neste mesmo ano, passou por uma reestruturação administrativa, dotando de uma pró-reitoria e três institutos, a saber, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais(ICAA), Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais (ICNHS) e Instituto de Ciências da Saúde (ICS). Também foram criadas três supervisões: de Administração e Planejamento, de Graduação e Extensão e de Pesquisa e Pós-graduação. No final do ano de 2011, o Campus Universitário de Sinop contava 160professores, 3.200 alunos regularmente matriculados.

Em junho do ano de 2011 foi celebrado documento de doação de uma propriedade rural (área de 110 ha)pela Prefeitura Municipal de Santa Carmem-MT (30 km do Campus da UFMT) ao Campus de Sinop da UFMT, para instalação da Unidade de Ensino, Pesquisa e Extensão (UEPE) do Instituo de Ciências Agrárias e Ambientais. Além dos setores ligados à Agronomia, Engenharia Florestal e Engenharia Agrícola e Ambiental, a UEPE compreenderá os principais setores relacionados à Zootecnia: Bovinocultura de leite, Bovinocultura de Corte, Avicultura, Suinocultura, Ovinocultura, Psicultura, Ovinocultura, Apicultura, Fábrica de Rações e Forragicultura. Esta estrutura permitirá conduções de atividades de ensino, pesquisa e extensão nos níveis de graduação e pós-graduação nas diversas áreas das Ciências Agrárias do Campus de Sinop da UFMT.

Devido à sua proximidade com os biomas de Cerrado, Amazônia e Transição, o Campus da UFMT de Sinop desenvolve atividades de pesquisa em diversas áreas ligadas às ciências agrárias e ambientais. Sua consolidação, ampliando a produção de conhecimentos e a formação de recursos humanos adequados à realidade da região, é essencial na busca de desenvolvimento sustentável, com a preservação da biodiversidade e das culturas regionais.

Na área da Zootecnia destaca-se temas emergentes para o desenvolvimento de pesquisas e formação de recursos humanos voltados à realidade local: viabilização de uso de co-produtos, subprodutos e resíduos agroindustriais na alimentação animal; melhoramento do valor nutritivo de alimentos para animais; avaliação de forragens suplementar; determinação das exigências nutricionais de animais, com interação genótipo x ambiente x nutrição; bioprospecção de extratos de plantas com potencial de uso como aditivos de rações para animais, visando otimizar a eficiência de utilização de nutrientes para produção de carne, leite e ovos, minimizar as perdas de energia e nutrientes para o ambiente, a emissão de gases entéricos de efeito estufa e o passivo ambiental da produção animal; estratégias nutricionais e de manejo visando aumentar a eficiência produtiva dos animais, a qualidade dos produtos de origem animal e minimizar o passivo ambiental da criação de animais; avaliação zootécnica, econômica e ambiental de sistemas de produção animal; estratégias de manejo de pastagens, visando a manutenção da capacidade produtiva e minimizar a degradação; recuperação de pastagens degradadas; produção animal em sistemas integrados; ampliação da eficiência produtiva e econômica da produção de carne e leite por meio de ferramentas de análises genéticas quantitativas e moleculares. Manipulação da qualidade da carne e do leite por meio de ferramentas de genéticas quantitativas e moleculares.

A mesorregião Norte do Estado de Mato Grosso, composta por 8 microrregiões, 55 municípios, contou com população estimada em mais de 900 mil habitantes no ano de 2009 e consolidou o município de Sinop como o centro econômico e educacional. Apesar da mesorregião representar o principal polo econômico do agronegócio do Estado, com demanda crescente por inovações tecnológicas e, principalmente, por pesquisadores voltados à realidade local, a mesma não dispõe de cursos de Pós-graduação Stricto sensu nas áreas das Ciências Agrárias, o que limita seu desenvolvimento.

A implantação da Sede da Embrapa Agrossilvipastoril no Município de Sinop no ano de 2009, corrobora para o desenvolvimento da região como polo educacional e científico no setor agropecuário. Atualmente, a unidade conta com um quadro de 31 pesquisadores, dos quais três atuam como orientadores permanentes do programa de Pós-graduação proposto. Desta forma, busca-se integrar e otimizar o uso dos recursos humanos, de infraestrutura e financeiros para a condução de pesquisas científicas e formação de recursos humanos entre as instituições federais de ensino e pesquisa. A unidade tem como Missão viabilizar soluções tecnológicas integradas para os sistemas agropecuários sustentáveis em benefício da sociedade brasileira, buscando fortes parcerias com outras instituições e Unidades da Embrapa, abrigando empregados originários de outros Centros e apoiando os seus trabalhos. O interesse principal desta nova Unidade é o estudo de sistemas de produção, com foco em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta(ILPF), onde estão inseridas espécies florestais, produtoras de grãos, oleaginosas, fibrosas, forrageiras e a pecuária.

Segundo dados do MEC, há no Estado cinco cursos graduação em Zootecnia (UFMT: Campus de Sinop, Campus de Cuiabá e Campus de Rondonópolis, IFMT, UNEMAT), três cursos de graduação em Medicina Veterinária (sendo dois na UFMT: Campus de Sinop e de Cuiabá) e dezesseis cursos de graduação em agronomia (UFMT: Campus de Sinop, Campus de Cuiabá e Campus de Rondonópolis, UNIC e Faculdades Unidas Vale do Araguaia). Apesar do expressivo número de cursos de graduação em Zootecnia e área afins, dos 71 cursos de pós-graduação Stricto sensu em Zootecnia e Recursos Pesqueiros no Brasil (CAPES Documento de Área, 2019), há apenas apenas três cursos de Mestrado Acadêmico na área de Zootecnia em Mato Grosso, cuja menor distância de Sinop é de 500 km (Ciência Animal, FAMEV/UFMT Campus Cuiabá), o que, evidentemente, não é suficiente para atender a demanda científica, tecnológica e de formação de recursos humanos especializados em Zootecnia. Diante do exposto, e devido à abrangência do Campus de Sinop da UFMT na Mesorregião Norte Matogrossense,a criação do programa de Pós-Graduação em Zootecnia constitui em instrumento que permite a formação de recursos humanos especializados, com uma visão voltada à realidade local, capaz de identificar os problemas e de proposição de soluções para equacioná-los, bem como produzir conhecimentos, tecnologias e produtos inovadores associados à criação e exploração racional de animais de interesse zootécnicos nos biomas supracitados.

As principais contribuições para a sociedade foram as pesquisas com aves, bovinos de corte e leite, peixes, suínos, forragicultura e sistemas produtivos em que se desenvolveram as caracterizações do valor nutricional e protocolos de uso de alimentos, coprodutos industriais e aditivos zootécnicos; modelos matemáticos de estimativa; estratégias de suplementação em pastejo e confinamento; determinação de exigências nutricionais em diversas condições ambientais; interação genótipo e ambiente; patente de método para destoxificação da mamona para alimentação animal; sistema de exigências nutricionais e avaliação de dietas; tecnologias de produção de forrageiras e bovinos de corte em sistemas de integração com agricultura e silvicultura; desenvolvimento de métodos físicos, químicos e biológicos para melhorar o valor nutricional de alimentos conservados; biotecnologias para reprodução animal; investigação de parâmetros genéticos de características reprodutivas, de crescimento, carcaça e de eficiência alimentar de animais; e avaliação do impacto de estratégias de intensificação, rentabilidade, pegada hídrica, carbono e balanço de nutrientes para redução da emissão de gases de efeito estufa.


POLÍTICAS ESTRUTURANTES INSTITUCIONAIS

A Universidade Federal de Mato Grosso estabeleceu para o Plano de Desenvolvimento Institucional da UFMT 2019-2023 (https://www1.ufmt.br/ufmt/un/secao/15000/pdiufmt) que o ensino de pós-graduação nesta instituição encontra-se em fase de consolidação, estrategicamente todos os envolvidos devem atuar no planejamento criterioso, intencional e engajado, voltado para o cumprimento da função social da Pós-graduação na UFMT, qual seja o de preparar, técnica e cientificamente, profissionais altamente especializados e qualificados a atender as demandas sociais do estado e da região no que diz respeito à área da educação; da saúde; do desenvolvimento econômico socialmente justo e ambientalmente sustentável, da conservação e preservação de seus biomas naturais, com suas respectivas riquezas da fauna, da flora e mineral; do reconhecimento e difusão cultural dos diferentes grupos sociais que compõem historicamente o estado e a região, com um olhar transversal e transcendente, de modo à não se fechar em sua realidade e nem cair em posição colonialista, se subjugando à forças sociais exógenas, unilaterais e verticais.

Atualmente, a Universidade Federal de Mato Grosso oferece 45 cursos de pós-graduação stricto sensu, dentre os quais, 34 são de mestrado e 11 de doutorado. No âmbito dos cursos de mestrado, dois têm a condição de mestrado profissional, sendo um ofertado em rede. Quanto aos cursos de doutorado, nove cursos são ofertados regularmente e três são oferecidos em rede. Em relação à distribuição dos cursos de pós-graduação stricto sensu, o Campus de Cuiabá concentra 37 cursos, sendo 26 de Mestrado e 11 de doutorado; O campus de Rondonópolis e o Campus de Sinop oferecem, cada um, 3 cursos de mestrado; o campus do Araguaia oferece dois cursos.

Entre os objetivos do PDI estava o de ampliar, consolidar e elevar os conceitos da pós-graduação na UFMT. Segundo relatório PDI 2013-2018 (http://www1.ufmt.br/pdiufmt/arquivos/c6ac330b522e60266208315b8f7e727c.pdf) registrou-se que Na última avaliação, cinco programas conseguiram se elevar a um estrato superior, sendo que três programas com mestrado e doutorado passaram de 4 para 5, um mestrado acadêmico passou de 3 para 4 e um programa em rede a nível de doutorado passou de 4 para 5. A estrutura de funcionamento da pós-graduação melhorou significativamente nos últimos anos, mas devido à grande expansão, ainda há carência de laboratórios e bases de pesquisa, de pessoal administrativo. 

O Sistema de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa – SGPP tem como um de seus objetivos, gerar indicadores que monitorem as atividades de pesquisa desenvolvidas pelos pesquisadores da UFMT, assim como a produção científica gerada. Contudo, mesmo havendo o Sistema de Informações para Pós-Graduação Stricto Sensu – SIPG e a Plataforma Sucupira, a produção do corpo docente na pós-graduação ainda não se encontra acessível, uma vez que tais sistemas e plataformas não geram relatórios que identifiquem a produção categoricamente. A instituição carece de base tecnológica e de gestão para os sistemas já existentes.. Na pesquisa, dos 515 projetos em andamento em 2019, 111 estão sendo desenvolvidos no campus de Sinop. A interiorização do Seminário de Iniciação Científica foi outra ação que possibilitou uma maior participação dos discentes e docentes no evento, antes limitada pelo fator distância e dificuldades com o deslocamento e estadia. 

O PDI 2019-2023 da UFMT está em fase de implementação das diretrizes norteadoras das ações institucionais, compostas de objetivos, metas e indicadores, que conduzirão o processo de desenvolvimento da universidade para os próximos anos. O documento está organizado em cinco eixos, alinhados às políticas institucionais integrantes do Projeto Político-Pedagógico, sendo eles: Ensino de Graduação, Ensino de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Gestão.


Logo da UFMT
Câmpus Cuiabá

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-8000

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Araguaia

Unidade I - Pontal do Araguaia
Avenida Universitária, nº 3500
Pontal do Araguaia - MT
CEP: 78698-000

(66) 3402-1108

Unidade II - Barra do Garças
Avenida Valdon Varjão, nº 6390
Barra do Garças - MT
CEP: 78605-091

(66) 3402-0736

Funcionamento Administrativo 08:00 às 11:30 e das 14:00 às 17:30 (horário local)

Câmpus Sinop

Avenida Alexandre Ferronato, nº 1200
Bairro Residencial Cidade Jardim - Sinop - MT
CEP: 78550-728

(66) 3533-3100

(66) 3533-3122

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Várzea Grande

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-6296

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30