UFMT comemora 40 anos com a presença de todos os seus ex-reitores
 UFMT - UFMT comemora 40 anos com a presença de todos os seus ex-reitores

UFMT comemora 40 anos com a presença de todos os seus ex-reitores

Publicado em Notícias | 13/12/2010

 

Durante as comemorações dos 40 anos da Universidade Federal de Mato Grosso, a Instituição realizou uma sessão de homenagens aos ex-reitores e a mais de 150 servidores técnicos e docentes da UFMT, na última sexta-feira (10). Na cerimônia, que proporcionou aos convidados momentos de reencontro e recordações, estiveram presentes, no Teatro Universitário, todos os nove ex-reitores que fizeram parte da construção da Universidade.  A homenagem foi aberta pela reitora, Maria Lúcia Cavalli Neder, que considerou “a noite esplendorosa, sendo a UFMT, uma universidade que muito fez e muito irá fazer” por Mato Grosso e pelo Brasil. O Hino Nacional foi executado por Priscila Carvalho (vocal) e Fabrício Carvalho (piano).
A história da UFMT começa no dia 10 de dezembro de 1970, com a assinatura da Lei 5.647. O primeiro reitor foi o professor Gabriel Novis Neves, que atuou de 1971 a 1982. Em seguida vieram os professores Benedito Pedro Dorileo, de 1982 a 1984; Eduardo De Lamônica Freire, de 1984 a 1988; Helmut Forte Daltro, que atuou como reitor interino de 06 de setembro a 19 de outubro de 1988; Augusto Frederico Müller Júnior, de 1988 a 1992; Luzia Guimarães, de 1992 a 1996; Fernando Nogueira de Lima, de 1996 a 2000; e Paulo Speller, de 2000 a 2004 e de 2004 a 2008. Além deles, o professor Attílio Ourives, membro mais antigo do Conselho Diretor, assumiu a Reitoria por diversas vezes, na ausência do reitor e de seu vice, tornando-se reitor Decano da UFMT.
Representantes da sociedade e do governo prestigiaram a entrega de placas e medalhas. Estavam presentes a secretária de Educação, Rosa Neide Sandes de Almeida, que também representou o governador Silval Barbosa; o deputado Federal eleito, Júlio José de Campos; a professora Enelinda Scala  representando a senadora Serys Slhessarenko;Flávia Maria de Barros Nogueira, secretária Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais de Mato Grosso; o vice-reitor da UFMT, Francisco José Dutra Souto; o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso João Carlos Souza Maia; Henrique Nascimento Strauss, chefe da Controladoria Geral da União, representando o titular Arnaldo Flores; e o procurador da República em Mato Grosso, Gustavo Nogami.
A reitora Maria Lúcia, considera a união como uma das ferramentas mais importantes da constituição da universidade, e declara, em nome de todos os reitores: “Com essa homenagem, nós, reitores, queremos deixar registrado que a Universidade Federal se faz com a colaboração dos servidores e da comunidade”.
Convidado pela reitora a falar, em nome dos ex-reitores e sobre os 40 anos da UFMT, Gabriel Novis Neves, um dos fundadores da Universidade, em um momento de descontração, questionou a reitora: “Qual foi o critério da escolha desta fala?” “O primeiro sempre será o primeiro”, resumiu Maria Lúcia. E este diálogo marcou o discurso de Novis Neves até o fim. O ex-reitor mais antigo frisou: “A Universidade só tem data de nascimento, pois a vida dela é infinita, ela não envelhece. Quanto mais longe de seu nascimento, mais mérito ela tem. Nós passamos, ela não”. Comparando a existência da universidade com a humana, médico Gabriel considera que, apesar dos 40 anos de existência, a UFMT ainda é nova. “Ela se encontra no berçário do conhecimento”, disse ao fazer menção, também, às universidades seculares como a de Coimbra, onde muitos brasileiros estudaram. Para ele, a construção da UFMT foi uma ousadia da época, que durante essas quatro décadas expandiu-se e conseguiu firmar-se a partir do conhecimento regional.  “A Universidade nasceu da selva, mas é universal”, afirmou.
Foram dez gestões em quarenta anos de existência da UFMT, que teve “o privilégio de comemorar com a presença de todos eles”, sendo que cada período, administrado de acordo com as características do gestor e da época, completou. “Não é possível fazer comparações de períodos, pois todos contribuíram para a conquista do respeito da UFMT no mundo acadêmico e científico”, afirmou Novis Neves.
A reitora Maria Lúcia Cavalli Neder, ao encerrar, disse que teve a oportunidade de conviver, em 38 anos de Universidade, com “tantos amigos, tantas pessoas que fizeram e fazem a melhor universidade deste País; a melhor universidade porque é a universidade do amor da comunidade interna, da comunidade externa”. De acordo com ela, o que mais a encantou ao chegar a Cuiabá, em fevereiro de 1973, aos 21 anos de idade, foi “a generosidade desse povo, que me recebeu de braços abertos”. Ela contou que foi recebida por Emília Miraglia, primeira pessoa que conheceu ao vir visitar a UFMT. “Perguntei, no hotel onde estava hospedada, o que tinha para conhecer na cidade, e me falaram: a Universidade. Ao chegar, tive a curiosidade de saber o que era preciso para ser contratada como professora. A segunda pessoa que me recebeu foi Gervásio Leite. Saí contratada.” “Tive o privilégio de ser colega de Departamento de um Benedito Figueiredo (homenageado como professor Emérito, também no dia 10/1/2010, aos 100 anos) e a sorte de ter sido contratada por Gabriel Novis Neves, tendo trabalhado com todos os reitores”, completou ao citar nominalmente os nove homenageados.
Dirigindo-se ao ex-reitor Gabriel Novis Neves, concordou que “Esta Universidade será eterna, mas diferente de uma Coimbra, diferente das outras universidades, nacionais e internacionais, porque esta tem o amor e o orgulho de toda a sua comunidade”.
 
Imprimir Enviar Notícia

Rodapé Animado UFMT