Professor da UFMT é finalista do prêmio Global Teacher Prize
 UFMT - Professor da UFMT é finalista do prêmio Global Teacher Prize

Professor da UFMT é finalista do prêmio Global Teacher Prize

Publicado em Notícias | 10/12/2015

O professor Marcio de Andrade Batista, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), câmpus do Araguaia, é o único brasileiro entre os 50 finalistas do Global Teacher Prize, considerado o Prêmio Nobel da Educação. Ele foi escolhido entre milhares de candidatos de 148 países. Apenas 29 nações estão representadas entre os finalistas. O vencedor será anunciado em março de 2016, em Dubai, e receberá US$ 1 milhão.
Engenheiro químico e doutorando em Engenharia Mecânica, Marcio de Andrade recebeu a indicação pelo trabalho que faz em escolas do ensino médio público. Ele orienta projetos sugeridos pelos próprios estudantes. A ideia é que os alunos desenvolvam interesse pela ciência desde o ensino básico. "Sempre tive como meta mostrar que ser cientista é tão legal quanto ser jogador de futebol ou outra profissão que os alunos admiram. Queria inserir a ciência dentro do rol de interesses dos alunos", diz.
Na edição de 2012 do Prêmio Jovem Cientista, o Estado de Mato Grosso conquistou o terceiro lugar na categoria Estudante de Ensino Médio com a pesquisa “Elaboração de farinhas integrais enriquecidas com fruto do Cerrado (baru), visando atender às necessidades nutricionais de atletas de alto desempenho”, da estudante do 2º ano do ensino médio do Colégio Presbiteriano de Juína, Bianca Valeguzki de Oliveira, sob a orientação do professor Marcio de Andrade.
“Foi o reconhecimento de anos de trabalho. Mostra também a qualidade do trabalho da nossa instituição”, afirmou o professor Marcio de Andrade, destacando a importância da pesquisa da estudante sobre o baru, o valor nutricional e o potencial do fruto para atletas de alto desempenho. Em dezembro de 2012, o professor Marcio de Andrade e a estudante Bianca Valeguzki receberam a premiação, em cerimônia com a presidente da República, Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, em Brasília.
Ele considera importante estimular a pesquisa entre os alunos do ensino médio. Cita como exemplo o resultado alcançado pela estudante de Juína. Além da premiação Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Bianca Valeguzki ganhou um estágio na unidade de GE, no Rio de Janeiro, e conheceu o processo de fabricação de turbinas e tubos flexíveis para indústria de petróleo.
Como orientandas ele prioriza as mulheres, por acreditar que são necessárias mais oportunidades para as meninas. "Se dermos apoio a esses meninos, eles vão longe. Principalmente as meninas. Vivemos em um país, digamos, machista. Às vezes uma mulher e um homem exercem a mesma função, mas a mulher ganha menos. Essas meninas tem que romper a barreira do machismo, de estar longe dos grandes centros urbanos", defende.
O prêmio
O Global Teacher Prize está no segundo ano e é oferecido pela Fundação Varkey, fundada por Sunny Varkey, reconhecido internacionalmente pelo trabalho feito na educação. A intenção é mostrar o importante papel que os professores desempenham, reconhecendo um professor excepcional, que tenha feito um excelente trabalho em sua região.
A professora Nancie Atwell, dos Estados Unidos (EUA), foi a ganhadora do prêmio em 2015. Professora de inglês, ela deixa que os alunos escolham os livros que lerão e os assuntos sobre os quais escreverão nas aulas. Com a metodologia, cada aluno consegue ler em média 40 livros de 14 gêneros literários, além de escrever cerca de 21 artigos de 13 gêneros. Devido ao encorajamento e apoio, muitos dos seus alunos tornaram-se autores.
Pesquisa sobre baru
O Cerrado ocupa uma grande área do Brasil central e faz fronteira com outros importantes biomas: a Amazônia, ao norte; a Caatinga, a nordeste; o Pantanal, a sudoeste; e a Mata Atlântica, a sudeste. Por isso, a fauna e a flora do Cerrado são extremamente ricas: mais de 10 mil espécies de plantas, mamíferos e aves vivem nessa região. Nesse cenário, a estudante Bianca Valeguzki encontrou um fruto nativo capaz de repor proteínas e dar mais energia a atletas.
Ao escolher o baru como seu objeto de estudo, Bianca quis resolver simultaneamente dois problemas: identificar um fruto típico da região para atender às necessidades nutricionais de atletas de alto desempenho e complementar a alimentação infantil de atletas mirins com o uso, por exemplo, de barrinhas de frutas e farinhas integrais.
“E o baru cumpre esse papel. Agrada o paladar infantil porque é adocicado”, relata a jovem pesquisadora. Ao mesmo tempo, o uso do baru incentiva a conservação ambiental ao valorizar a diversidade biológica do Cerrado na produção de alimentos seguros e naturais.
Durante a pesquisa, foram usados frutos de baru coletados em fazendas da região e frutos de baru comprados diretamente em feiras livres. Eles foram corretamente higienizados e suas castanhas foram retiradas e processadas, sendo analisadas em laboratório. Esse processo, segundo a pesquisa, não interferiu nas propriedades nutricionais do baru, que manteve seu alto teor de proteína e de lipídios, incluindo as séries ômega-3 e ômega-6, que auxiliam na manutenção de níveis saudáveis de triglicerídeos, fundamentais para atletas de alto desempenho.
Bianca também quis chamar a atenção para este fruto pouco conhecido pelos brasileiros e pelos atletas, que poderiam consumi-lo como uma fonte imediata de proteínas e fibras.
“O baru é uma joia anônima. Decidi fazer a pesquisa e achei digno levá-la a sério para expandir o conhecimento sobre esse fruto nativo da minha região”, afirma a estudante, que também é atleta.
Minicurrículo do professor
Professor efetivo da UFMT, câmpus do Araguaia, unidade de Barra do Garças, Marcio de Andrade Batista tem mestrado em Engenharia Química e desenvolveu trabalhos na área de processos biotecnológicos e bicombustíveis (Biomassa). Possui MBA em Finanças e Estratégias Empresariais, venceu o Prêmio Santander de Empreendedorismo, em 2006, na categoria Indústria. Recebeu uma menção honrosa da Fundação Getulio Vargas (FGV/SP) por ter desenvolvido um dos 20 melhores Business Plan no II Desafio GV-Intel de Venture Capital e Empreendedorismo Inovação e Tecnologia em 2007. Ganhador do III Prêmio Werner Von Siemens de Inovação Tecnológica e do Prêmio Reconhecimento 3M - Consumidor Consciente, em 2009. Possui uma patente, modelo de utilidade em fase de registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). (Ascom com informações da Agência Brasil)
 

Imprimir Enviar Notícia