Educação ambiental e o ensino de matemática: uma prática metodológica na 5ª série do ensino fundamental

 

 

Angélica Fernandes Pelegrini

Daniela Maimoni de Figueiredo


 

O Governo Federal, no ano de 1997, através do Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Educação Fundamental (SEF), elaborou os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), que objetivou, entre outras coisas, a incorporação dos Temas Transversais nas áreas já existentes e no trabalho educativo da escola. Eles foram criados pela necessidade de aprendizagem e reflexão dos alunos sobre questões sociais.

No Tema Transversal Meio Ambiente, a SEF enfatiza "a urgência da implantação de um trabalho de Educação Ambiental que contemple as questões da vida cotidiana do cidadão e discuta algumas visões polêmicas sobre essa temática" (BRASIL, 1998).

GUARIM NETO e FREIRE (1995) também comentam que a relação Educação x Ambiente, deve produzir reflexões baseadas nas experiências da realidade e do cotidiano dos alunos.

Segundo DIAS (1994), "a Educação Ambiental precisa ser praticada interdisciplinarmente e a interdisciplinaridade é uma cooperação ativa entre as diferentes disciplinas que promove o intercâmbio e o enriquecimento na abordagem de um tema".

Na maioria das escolas públicas de Mato Grosso o ensino tradicional permeia quase todas as disciplinas. Muitos professores, por vários motivos, vêm trabalhando os conteúdos de matemática de forma tradicional, sem considerar a realidade do aluno e utilizando o livro didático como única ferramenta de trabalho. Neste contexto, o aluno se transforma num cidadão sem capacidade criadora e crítica. Os profissionais que atuam nestas escolas também tiveram ao longo de sua formação pedagógica um ensino tradicional.

CANIATO (1993) cita que a formação tradicional dos professores, associada às disciplinas estanques, são sérias dificuldades para se trabalhar a Educação Ambiental nas escolas, e GUARIM (1995) ainda salienta a falta de material didático e treinamento de recursos humanos nestas instituições.

A disciplina de matemática não foge à regra, é normalmente trabalhada de forma isolada, sem vínculo com outras disciplinas e às suas aplicações práticas. Relacionar os conteúdos matemáticos com a realidade sócio-ambiental do aluno não é fácil, mas é possível.

Nesta disciplina pode-se trabalhar o meio ambiente, como sugerem os PCNs, nos Temas Transversais, tendo como abordagem que "a quantificação de aspectos envolvidos em problemas ambientais favorece uma visão mais clara deles, ajudando na tomada de decisões e permitindo intervenções necessárias. A compreensão dos fenômenos que ocorrem no ambiente – poluição, desmatamento, limites para o uso dos recursos naturais, desperdício – terá ferramentas essenciais em conceitos (média, áreas, volumes, proporcionalidade, etc.) e procedimentos matemáticos (formulação de hipóteses, realização de cálculos, coleta, organização e interpretação de dados estatísticos, prática da argumentação, etc.)" (BRASIL, 1997).

Pensando nessas duas situações: os conteúdos matemáticos sendo ensinados tradicionalmente e "contribuir para as mudanças de atitudes humanas em relação ao meio" (SATO, 1994), vem-se através deste trabalho propor uma metodologia diferente do ensino tradicional, voltada à realidade do aluno e de forma interdisciplinar, trabalhando conteúdos de matemática com um tema de meio ambiente. Para isso, escolheu-se o tema ÁGUA, por se tratar de um importante recurso natural que vem sendo utilizado de forma inadequada, cujas consequências irão refletir, ou já refletem no dia-a-dia do educando.

Este trabalho portanto teve como objetivos sensibilizar os alunos da 5ª série, da Escola Estadual de 1º e 2º Graus "Licínio Monteiro da Silva", da importância da água e futuras consequências da sua má utilização através do conteúdo de VOLUME na disciplina de matemática, bem como apresentar aos profissionais da educação uma metodologia de trabalho alternativa.

Metodologia

O presente trabalho foi desenvolvido no período de 04/11/98 a 02/12/98 com os alunos da 5ª série do ensino fundamental, num total de 23 alunos, na faixa etária de 11 a 15 anos, na Escola Estadual de 1º e 2º Graus "Licínio Monteiro da Silva", localizada a Rua Pedro Pedrossian nº 211, no Bairro Aeroporto, na cidade de Várzea Grande (MT). A escola possui 16 salas de aula e 1842 alunos matriculados, funcionando nos períodos matutino, vespertino e noturno. A maioria dos alunos da escola são de periferia e de baixo poder aquisitivo.

Perfazendo um total de 22 h/aula, o trabalho abordou o tema ÁGUA com o conteúdo de VOLUME, na disciplina de matemática. Para o seu desenvolvimento, utilizou-se a seguinte metodologia de acordo com as etapas citadas a seguir.

A princípio propôs-se uma produção de texto sobre a água, sem nenhuma referência prévia, para verificar o conhecimento dos alunos sobre o assunto e de que forma eles percebiam a água em sua vida cotidiana.

Num segundo momento distribuiu-se um texto aos alunos para leitura e discussão sobre a água, como segue:

A ÁGUA

 

(Angélica Fernandes Pelegrini,1998)

Nosso planeta Terra é formado por ¼ de crosta terrestre e ¾ de água. O gráfico mostra como essa água está distribuída na Terra.

 

De acordo com o gráfico podemos verificar que somente uma pequenina parte do total de água da Terra pode ser utilizada para consumo, principalmente aquela contida em rios e lagos.

Esta água é utilizada para abastecimento doméstico, nas indústrias, na agricultura, na geração de energia elétrica, na recreação, no esporte, e outros usos, mas principalmente é fundamental para a vida dos seres vivos.

Alguns seres vivos também têm na composição de seus corpos aproximadamente ¾ de água. Por exemplo, se dividíssemos o corpo de uma pessoa adulta em quatro partes, três dessas partes seriam de água, daí a necessidade de ingerirmos 2 litros de água por dia para repormos o líquido que perdemos durante nossas atividades.

Temos o privilégio de morar em um país com água em abundância, mas por pouco tempo se não soubermos usá-la de forma adequada.

A maior parte da água que usamos em nossas casas, em Cuiabá e Várzea Grande, vem do Rio Cuiabá. O usamos também para pesca, lazer e para jogar esgoto doméstico e industrial.

A quantidade de água que é retirada por dia do Rio Cuiabá é muito grande para abastecer toda a população. Esta quantidade aumenta ainda mais devido aos vazamentos nos encanamentos e ao desperdício em nossas residências, diminuindo portanto a quantidade de água do rio.

Muitas pessoas acham que a água é um recurso inesgotável, mas se não a utilizarmos corretamente, poderemos ter sérios problemas futuros ou pela sua má qualidade (causando doenças e impossibilitando usos importantes da água) ou pela sua falta.

O problema da falta de água é tão sério que alguns estudiosos chegam a mencionar uma provável e futura guerra pela utilização e posse da água.

Há muitas atitudes que podemos tomar em nossas casas e comunidades para auxiliar na conservação deste bem tão precioso que é a ÁGUA.

 

Após a discussão do texto, a sala de aula foi dividida em 5 grupos para a construção de um quadro constando os usos da água do Rio Cuiabá e de suas residências e qual o uso correto dos mesmos. Esta atividade foi desenvolvida para enriquecer o texto e, de acordo com o objetivo do trabalho, é importante que os alunos saibam de onde vem a água que consomem e qual a importância do Rio Cuiabá em suas vidas.

Utilizando-se contas de água atuais das residências dos alunos, foi possível construir um outro quadro em conjunto com todos os educandos, com o nome dos alunos, número de pessoas residentes na casa, consumo mensal em metros cúbicos (m3) e valor a pagar em reais (R$), para verificar a quantidade de água consumida nas diferentes casas.

Para se ensinar o conteúdo de VOLUME foi necessário que os alunos tivessem noção prévia de comprimento e área, por isso explicou-se as medidas mais usadas quilômetro (km) centímetro (cm), metro (m) e metro quadrado (m2), medindo o muro da escola e da sala de aula. O conteúdo de VOLUME foi introduzido sugerindo-se encher a sala de aula com água, para verificar quantos metros cúbicos (m3) ela comporta. Ensinou-se que para esse cálculo são necessárias três medidas: comprimento, largura e altura. Alguns exemplos e problemas matemáticos foram propostos para orientar a aprendizagem desses cálculos. Estes problemas foram retirados de livros didáticos e adaptados à realidade do aluno.

Ensinou-se a transformação de metro cúbico (m3) para litro, apresentando-se a medida litro (l) e alguns recipientes de medidas mais usadas no dia-a-dia, como uma vasilha de cozinha de 1000 ml (mililitro), garrafa de refrigerante de 2,0 litros, frasco de remédio de 100 ml, medidas de remédio de 2,5; 5 e 7,5 ml, lata de refrigerante de 355 ml e outros exemplos citados pelos alunos. Uma outra atividade prática foi colocar 1 litro de água dentro de uma caixa de vidro com 10 cm de altura, 10 cm de comprimento e 10 cm de largura, com volume total de 1000 cm3.

Orientou-se como calcular a conta de água das residências, utilizando-se a tabela contida no verso das contas de água, com orientação do Departamento de Água e Esgoto de Várzea Grande (DAE - VG). Para tanto foi necessário mostrar a leitura anterior, leitura atual e consumo total (que constam na frente da conta de água) e fez-se exercícios em grupo para aprendizagem dos cálculos.

Para que os alunos associassem os cálculos matemáticos com o objetivo do trabalho fez-se as seguintes atividades práticas.

Verificou-se com os alunos na escola o consumo de água ao escovar os dentes com a torneira aberta e fechada durante a escovação e com apenas um copo de água.

Também verificou-se com os alunos, quanto desperdiça de água uma torneira pingando durante 15 minutos.

Fez-se ainda cálculos do consumo de água em um dia, um mês e um ano, no caso da escovação, e em uma hora, um dia, um mês e um ano, no caso da torneira pingando.

Após esta atividade entregou-se um guia (Tabela I) de como economizar água e qual o consumo em cada atividade.

No dia 05/12/98 os alunos apresentaram o trabalho na Feira de Ciências da escola, utilizando o quadro dos usos da água de casa e do Rio Cuiabá e seus usos corretos, um quadro com o consumo das residências dos alunos, um quadro com alguns tipos de consumo de água, qual a forma adequada de consumo e quanto se gasta de água em cada atividade.

No final do trabalho os alunos fizeram uma outra produção de texto sobre a água, para verificar se o objetivo proposto havia sido atingido.

A análise dos dados foi feita através da comparação das duas produções de texto (no início e término do trabalho). Utilizou-se também observações subjetivas e anotou-se os comentários feitos pelos alunos.

Fez-se a análise qualitativa das produções de texto agrupando-se os assuntos distintos em categorias diferentes. A análise quantitativa foi feita numerando-se quantos alunos se enquadravam na mesma categoria.

 

Tabela I

 

 

GUIA PARA ECONOMIZAR ÁGUA

 

 

USO PARCIMONIOSO

USO NORMAL

 

ECONOMIZARÁ ÁGUA

 

 

DESPERDIÇARÁ ÁGUA

Molhar, ensaboar,

CHUVEIRO

Banho regular

Enxaguar

92 litros

14 litros

Que tal um

BANHEIRA

Uma banheira cheia

Chuveiro?

133 litros

Diminuir as descargas.

VASO

Descargas freqüentes

Cada uma consome

SANITÁRIO

18 a 26 litros

Encher uma bacia

LAVAR

A torneira aberta

3,5 litros

AS MÃOS

7 litros

Encher uma bacia

BARBEAR

A torneira aberta

3,5 litros

74 litros

Molhar a escova,

ESCOVAR

A torneira aberta

Enxaguar rapidamente

OS DENTES

37 litros

1,5 litros

Pegue apenas o

GELO

O gelo que não é usado

Necessário

perde a utilidade

Por favor, comunique

VAZAMENTOS

Um pequeno vazamento

Imediatamente

gasta 92 litros/dia

Desligue a luz, aque-

ENERGIA

Desperdiçar energia

Cedores e condiciona-

Dores quando não es-

tiver no aposento.

MUITO OBRIGADO POR

USAR ESTA COLUNA....................... E NÃO ESTA

Fonte: San Francisco Convention and Visitors Bureau

CORSON, W.H. Manual Global de Ecologia: O que você pode fazer

a respeito da crise do meio ambiente.

Na Tabela III encontra-se a síntese da metodologia desenvolvida neste trabalho.

Tabela III - Síntese da metodologia desenvolvida

Atividade desenvolvida

Objetivo

Tempo gasto*

1ª produção de texto

Diagnosticar o conhecimento dos alunos sobre a água e de que forma eles percebem a mesma em sua vida cotidiana

1 aula

Texto

Proporcionar leitura e discussão sobre a água

2 aulas

Trabalho em grupo sobre os usos da água

Relacionar os usos da água das residências e do Rio Cuiabá e uso correto dos mesmos

3 aulas

Atividade prática (medir o muro e sala de aula da escola)

Ensinar medidas de comprimento, área e volume

4 aulas

Atividade prática (caixa de vidro)

Ensinar transformação de cm3 para litro e m3 para litro

3 aulas

Trabalho em grupo para cálculo das contas de água

Verificar o consumo de água nas residências, bem como o valor que se paga para utilizá-la

3 aulas

Problemas matemáticos

Orientar a aprendizagem do conceito de volume e cálculos matemáticos

2 aulas

Atividade prática (escovação dos dentes e torneira pingando)

Associar o conteúdo de matemática ao desperdício de água e verificar a quantidade de água que se gasta nestes atividades em dia, mês e ano

2 aulas

Guia de como economizar água

Verificar as formas adequadas do uso da água

1 aula

Feira de Ciências

Sensibilizar a comunidade escolar quanto ao desperdício de água e apresentar o trabalho realizado em sala de aula com os alunos

-

2ª produção de texto

Avaliar se o objetivo proposto foi alcançado

1 aula

*Obs.: (1 aula =45 min)

 

Resultados

I - Primeira produção de texto

Considerando-se que nem todos os alunos estavam presentes em todas as aulas, dos 23 alunos da sala, 20 fizeram a primeira e segunda produções de texto.

Agrupando-se os dados da primeira produção de texto obteve-se os resultados apresentados na Figura 1.

Cada categoria criada aborda os seguintes assuntos tratados pelos alunos:

Na categoria 1, que a água é importante para os seres vivos; animais; plantas; para o nosso corpo; porque sem ela não existiria vida, não sobreviveríamos; porque existe em todo lugar; faz bem à saúde.

Na categoria 2, que água é usada para beber, lavar, cozinhar, banhar, escovar os dentes, fazer refrigerante, para o esporte e uma única aluna citou ainda molhar a rua.

Na categoria 3, que a água deve ser filtrada, fervida, clorada e um aluno citou o tratamento pelo Departamento de Água e Esgoto de Várzea Grande.

Na categoria 4, eles citaram que devemos preservar ou conservar a água.

Na categoria 5, dois alunos citaram a poluição das águas em geral e dois sobre a poluição do Rio Cuiabá.

Na categoria 6, os tipos de água são os mais variados: doce, salgada, mineral, Cristalina (referente a uma marca de água mineral), potável e contaminada.

Na categoria 7, apenas três alunos mencionaram a economia de água, mas não citaram como fazê-la.

Alguns alunos falaram ainda com menos freqüência sobre economizar água, os estados da água, que a água não tem gosto, que ela está no nosso corpo, que a água é uma mistura de hidrogênio e oxigênio, três alunos mencionaram o Rio Cuiabá e dois alunos vincularam a água à morte ou destruição.

No início da produção de texto houve alguns comentários por parte dos alunos como: "Professora de matemática, pedindo para escrever texto sobre a água!? Até parece professora de ciências"! No decorrer desta atividade muitas crianças tinham dificuldades em se expressar, diziam que não tinham muito a falar.

II - Texto

Durante a discussão do texto entregue aos alunos, todos queriam falar, opinar, muitos tinham algum conhecimento sobre o assunto e principalmente sobre algo que aconteceu em sua casa ou próximo a ela. O interessante é que muitos falaram sobre economizar água, mas não sabiam que atitudes poderiam ser tomadas para evitar o desperdício da mesma.

III - Atividades em grupo

As atividades em grupo demonstraram ser muito ricas, viabilizando discussões e conclusões por parte dos alunos sobre os usos adequados da água e aprendizagem dos cálculos matemáticos.

Durante todo o trabalho, os alunos participaram bastante, às vezes com grande exaltação, necessitando de interferência por parte da professora.

Outra dificuldade apresentada pelos alunos foi a interpretação de problemas propostos. Alguns alunos necessitaram do auxílio da professora para interpretá-los.

IV - Atividades práticas

As atividades práticas propostas sempre foram recebidas pelos alunos com descontração e até discussão, todos queriam fazer algo.

Todas as atividades mostraram ser interessantes para os alunos, mas verificou-se que a atividade de transformar m3 em litro através da caixinha de vidro, chamou mais a atenção dos mesmos.

Na Tabela III, encontra-se o resultado dos cálculos efetuados na escovação dos dentes (dia, mês e ano) e torneira pingando (hora, dia, mês e ano). Após estes cálculos os alunos se espantaram com a quantidade de água consumida durante um ano.

Através destas atividades observou-se que os cálculos matemáticos foram melhor compreendidos pelos alunos.

V - Cálculo das contas de água

Nos cálculos das contas de água, a princípio, alguns alunos apresentaram dificuldades na compreensão do modo de se calcular, mas como a atividade foi em grupo, a cooperação foi imediata e em instantes ouvia-se "Que legal!", por parte dos alunos, achando interessante o cálculo.

VI - Outras observações

Os alunos tiveram grande facilidade em associar o conteúdo de VOLUME com os pequenos hábitos que são praticados em casa favorecendo o desperdício de água e sugeriram formas de evitá-los.

Muitos ficaram espantados em verificar os gastos de determinadas atividades, apresentados a eles já no final do trabalho, através do guia de como economizar água

Durante a Feira de Ciências, os alunos apresentaram e demonstraram o que haviam aprendido, sem decorar textos, apenas pela sua vivência e participação nas atividades.

Alguns professores acharam interessante o trabalho apresentado pelos alunos e muitos visitantes se interessaram pelos cálculos das contas de água e outros pelas várias formas de se evitar o desperdício da mesma, se espantando com a quantidade de água consumida em cada uso que fazemos dela.

 

VII - Segunda produção de texto

Agrupando-se os dados da segunda produção de texto, obtiveram-se os resultados apresentados na Figura 2.

Cada categoria criada, aborda os seguintes assuntos tratados pelos alunos:

Na categoria 1, em geral as citações foram as mesmas da primeira produção de texto.;

Na categoria 2, além dos usos da água já citados na primeira produção de texto, eles citaram que era usada na construção e muitos também incluíram os usos da água do Rio Cuiabá, como para lazer e pesca;

Na categoria 3, em geral as citações foram as mesmas da primeira produção de texto;

Na categoria 4, falaram em preservar ou conservar o Rio Cuiabá e na conservação das águas em geral inclusive para as futuras gerações;

Na categoria 5, muitos falaram sobre a poluição do Rio Cuiabá, poluição das águas em geral e as possíveis doenças de veiculação hídrica;

Na categoria 6, o aluno citou a água potável e poluída como tipos de água;

Na categoria 7, muitos falaram que o desperdício de água poderia prejudicar a si mesmo, que ela um dia poderia acabar e citaram muitos exemplos de como economizá-la, por exemplo tomando banho, escovando os dentes, bebendo, lavando louça, de forma adequada.

O Rio Cuiabá foi mencionado na maioria das categorias. Foi citado sobre o uso de suas águas, que é necessário economizar água para conservá-lo; sobre sua poluição e ainda um aluno mencionou a necessidade do tratamento do esgoto residencial e industrial antes de ser lançado no mesmo.

Alguns alunos falaram ainda com menos freqüência sobre os cálculos das contas de água, conscientização das pessoas, que a maior parte da Terra é composta por água, que a água não tem gosto, etc.

 

Figura 1 – Categorização e quantificação dos diferentes assuntos tratados pelos alunos na primeira produção de texto

 

 

 

Legenda:

Categoria 1 - Importância da água

Categoria 2 - Usos da água

Categoria 3 - Tratamento da água

Categoria 4 - Conservação da água

Categoria 5 - Poluição das águas

Categoria 6 - Tipos de água

Categoria 7 - Economia de água

 

 

 

Figura 2 – Categorização e quantificação dos diferentes assuntos tratados pelos alunos na segunda produção de texto.

 

 

 

Legenda

Categoria 1 - Importância da água

Categoria 2 - Usos da água

Categoria 3 - Tratamento da água

Categoria 4 - Conservação da água

Categoria 5 - Poluição das águas

Categoria 6 - Tipos de água

Categoria 7 - Economia de água

 

 

Tabela III - Cálculos do consumo de água na escovação dos dentes e torneira pingando (litros) a partir das atividades práticas

ATIVIDADE/
TEMPO

Quantidade de água gasta em cada atividade

Hora

Dia

Mês

Ano

Escovação dos dentes com torneira aberta

5,5

-

11 *

330

3 960

Escovação dos dentes com torneira fechada

1,5

-

3 *

90

1 080

Torneira pingando por 15 minutos

0,2

0,8

19,2

576

6 912

*Considerando duas escovações por dia.

 

Discussão

I – Considerações sobre a Metodologia

Tratando-se de um primeiro trabalho com metodologia diferente do que esta autora estava habituada a aplicar em sala de aula, optou-se em não envolver outros professores neste primeiro momento. Mesmo assim, tratou-se de um exercício interdisciplinar, uma vez que foram utilizados conteúdos de Ciências, abordando a água; Geografia, relacionado ao Rio Cuiabá; Português, quando da produção das redações, Matemática, com o conteúdo de volume e os cálculos das contas de água, e Saúde sobre a contaminação da água.

O método utilizou estratégias de aula já existentes. Fez-se as opções pelas produções de texto por dar condições ao aluno de se expressar livremente, sem impor seus pensamentos ou induzi-los a respostas.

As respostas da primeira produção de texto serviram para orientar e direcionar o trabalho e a segunda produção de texto, em confronto com a primeira, bem como as observações subjetivas em sala de aula, serviram como indicadores de que houve sensibilização pelos alunos sobre o tema ÁGUA, incluindo questões como o desperdício e usos adequados da mesma. Um aluno citou na primeira produção de texto: " ...a água nós usamos para lavar nossas vasilhas, para tomar banho, lavar as mãos, etc..." e na segunda produção de texto, além de citar o uso da água mencionou as maneiras de evitar o desperdício: " Aprendemos que para tomar banho devemos desligar o chuveiro para se ensaboar, quando escovar os dentes desligar a torneira para escovar, mais o importante de tudo foi que aprendemos a usar a água sem desperdício.". Outra aluna escreveu na primeira produção de texto: "A água, é muito importante para a nossa vida e sem ela nós não estaríamos aqui nesse mundo.", e na segunda produção de texto, além de citar que a água é importante para ela, falou sobre a preservação: "A água é muito importante para nós. Por isso nós não devemos jogá-la fora, nós temos que preservar a água.". Quanto a poluição e, principalmente sobre o Rio Cuiabá, outra aluna mencionou na primeira produção de texto: "A maior parte do planeta Terra é coberto pela água." , e na segunda produção de texto citou: "... a água que bebemos e usamos vem do Rio Cuiabá por isso devemos economizar a água.".

Apesar da observação em sala de aula ser subjetiva, pôde-se constatar que os comentários, comportamento e motivação dos alunos, diferente do que acontecia nas aulas tradicionais, indicaram que a metodologia de ensino adotada foi eficaz e conseguiu estimula-los e sensibiliza-los.

Muitos trabalhos nessa linha já foram desenvolvidos com metodologia e resultados semelhantes como o executado por ALVES (1997). No entanto a autora lamenta que somente os professores de Ciências, Programa de Saúde, Geografia, Educação Artística e Português tenham participado da experiência. Segundo ela "a experiência foi produtiva, mas desgastante, sendo este possível motivo para a não participação dos demais professores", continua ainda dizendo que no "tocante aos alunos, experiências desta natureza fazem com que os mesmos rompam com as barreiras do ensino formal".

BOAVENTURA (1995), estudou a possibilidade da Educação Ambiental acontecer veiculada através da literatura infantil para crianças da pré-escola. Segundo esta autora "nos vários momentos da Educação Ambiental através da literatura infantil se estará deparando com um aprendizado rico, múltiplo, criativo e instigante sobre o meio ambiente e este aprendizado ambiental se inaugura verdadeiro e transformador porque traz as marcas do lúdico, do alegre, do fraterno e do prazeroso".

RABELO JR. (1996), realizou um trabalho objetivando sensibilizar e avaliar os aspectos da integração ambiente-educação, mediante o contato de adolescentes com questões ambientais, percebidas durante uma visita de estudo à uma Unidade de Conservação. Após o trabalho desenvolvido, o autor verificou, através de questionários, que os alunos não tinham conhecimento sobre Educação Ambiental e que ainda confundiam a mesma com Ecologia, mas detectou a preocupação de alguma forma com o destino do planeta Terra.

No entanto, o ensino de matemática não foi abordado em nenhum destes trabalhos, mas MARQUES et al.( 1988), demonstrou que pode-se ensinar conteúdos matemáticos, integrado com fatores sócio-econômicos partindo da realidade do aluno. De acordo com estes autores, as crianças que participaram desse trabalho apresentaram um aproveitamento de aprendizagem superior às crianças que estudaram o mesmo conteúdo matemático, através de métodos tradicionais.

Quanto a dificuldade dos alunos nos cálculos das contas de água, possivelmente esta atividade não seja apropriada para alunos de 5ª série. Propõe-se então duas outras formas de trabalhar esta atividade: 1) a professora fazer o cálculo no quadro junto com os alunos; 2) não fazer o cálculo mas utilizar os valores prontos de consumo e custo, dados na conta de água.

Percebeu-se ainda, pelos comentários dos alunos, que estes estão habituados a disciplinas estanques, sem relação uma com as outras. Após esta prática metodológica verificou-se que o meio ambiente é um tema transversal que proporciona a interdisciplinaridade.

O presente trabalho poderia ser abordado sob diversos pontos de vista, como da matemática, verificando se a aprendizagem, quanto ao conteúdo de VOLUME, foi superior que nas atividades desenvolvidas no sistema tradicional. No entanto, neste primeiro momento, optou-se por enfocar o trabalho e avaliar a metodologia aplicada do ponto de vista da Educação Ambiental. Portanto, os objetivos foram alcançados, pelo fato de ter-se percebido uma sensibilização dos alunos para os problemas ambientais relacionados à água. A metodologia desenvolvida foi simples, diferente do ensino tradicional, mas sobretudo eficiente, tratando-se de uma experiência piloto, onde espera-se que possa servir como uma orientação para o ensino interdisciplinar.

A metodologia apresentada pode ser utilizada em outros trabalhos, não na mesma seqüência e com o mesmo tema gerador (ÁGUA), mas partindo sempre da realidade do aluno. Não pretendeu-se com este trabalho desconsiderar a criatividade do professor, mas sim mostrar que é possível criar e ministrar aulas divertidas e interessantes, diferentes das aulas tradicionais.

Verificou-se, ainda, que o tema ÁGUA, por ser tão amplo, é possível de ser trabalhado envolvendo outros conteúdos matemáticos.

 

II – O Tema Água

Os alunos, de modo geral, demonstraram nas duas produções de texto ter algum conhecimento sobre a água. Alguns itens foram mais citados na primeira produção de texto e outros mais na segunda, mas nas duas produções de texto a maioria dos alunos citaram a importância da água em suas vidas e os seus diversos usos.

Os alunos também demonstraram que sabiam da necessidade de se utilizar a água tratada e que a água contaminada pode provocar doenças.

No Brasil, calcula-se que 60% das internações hospitalares são causadas pelo líquido em más condições de potabilidade (GRECCO, 1998).

"A água tem sido tratada como um recurso ilimitado, que é fornecido o mais barato possível e em qualquer quantidade desejada. Se tal atitude continuar levará a deficiências críticas na quantidade e qualidade da água disponível" (CORSON, 1993).

Saber economizar a água evita o desperdício. Muitas são as formas de desperdício da água: por vazamentos da rede de distribuição de água, por ligações clandestinas ou no uso doméstico. A preocupação em economizar a água foi citada por apenas 15% dos alunos na primeira produção de texto, elevada para 65% na segunda produção de texto, onde mencionaram várias formas de economizá-la.

A posição correta que o indivíduo deve ter frente a questões ambientais vai depender da sua sensibilidade, dos seus conceitos e valores, que devem ser desenvolvidos nos alunos, principalmente no Ensino Fundamental, através da observação e percepção dos problemas ambientais mais próximos.

Para evitar o desperdício de água também é necessário conhecer de onde vem a água que se usa, qual o uso correto dessa água e qual a importância dessa fonte, no caso o Rio Cuiabá.

O Rio Cuiabá foi mencionado por 15% dos alunos na primeira produção de texto e por 45% dos alunos na segunda produção de texto. As citações surgiram em quase todas as categorias, demonstrando que os alunos perceberam a importância do Rio Cuiabá em suas vidas.

A poluição, de forma geral, também foi citada por 20% dos alunos na primeira produção de texto e 40% dos alunos na segunda produção de texto, considerando que na segunda eles citaram a poluição do Rio Cuiabá.

Segundo a FEMA (1997), num estudo da qualidade da água do Rio Cuiabá, constatou-se níveis de coliformes fecais 50 vezes acima do permitido pela Resolução do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), para rios de classe II, no trecho da área urbana da capital. FIGUEIREDO (1996), cita que os efluentes urbanos lançados no Rio Cuiabá aumentaram também as concentrações de nutrientes e diminuíram a transparência da água.

Os coliformes fecais são bactérias que vivem no trato intestinal do homem e portanto demonstram a presença de fezes na água, ou seja servem como indicadores da qualidade da água.

Muitas vezes o Rio Cuiabá é mencionado nos meios de comunicação, mas mesmo assim, muitos alunos não sabiam que a água de suas casas vinha deste corpo d’água.

Falando ainda sobre o Rio Cuiabá, ALVES (1997) diz ser "necessário controlar a degradação, onde ações de caráter educacional terão grande papel na conservação deste recurso hídrico tão importante para a região Centro-Oeste".

FERREIRA & GUARIM (1995) acreditam que para a conservação de um recurso natural, no caso o Rio Cuiabá, deve-se preservar a cultura regional.

Para os alunos, conservar o Rio Cuiabá e as águas em geral vai mais além. Na primeira produção de texto 30% dos alunos falam na conservação das águas porque ela é importante, mas na segunda produção de texto 50% dos alunos acham que deve-se conservá-la porque é importante, mas também para as futuras gerações, existindo uma preocupação com o próximo e com o futuro do planeta.

Com certeza depois deste trabalho os alunos irão olhar o Rio Cuiabá com outros olhos, com respeito, preocupação e também indignação pelos maus tratos que ele vem sofrendo.

Segundo MAGOSSI & BONACELLA (1997), "é claro que somente conscientizar não basta, mas já seria a primeira entre várias medidas necessárias à conservação do elemento água em nosso planeta. Somente assim garantiremos nossa sobrevivência, bem como das gerações futuras".

Conclusões

O presente trabalho, realizado com alunos da 5ª série do ensino fundamental da Escola Estadual de 1º e 2º Graus "Licínio Monteiro da Silva", permitiu as seguintes conclusões:

A Educação Ambiental pode ser trabalhada dentro do ensino de matemática;

É possível trabalhar de forma não tradicional e interdisciplinar o ensino de matemática em escolas públicas;

A metodologia aplicada demonstrou ser eficiente na sensibilização dos alunos quanto às questões ambientais relacionadas à água;

Os alunos demonstraram elevado interesse pelas etapas do trabalho, especialmente nas aulas prática;

As aulas práticas foram importantes, pois permitiram que os alunos associassem os conteúdos de matemática com as sua realidade e com a importância de se utilizar a água de forma adequada;

Os alunos demonstraram sensibilização quanto às questões ambientais relacionadas à água, através do estudo do conteúdo de VOLUME;

O tema ÁGUA é possível de ser trabalhado em outros conteúdos de matemática, além do de VOLUME, todos associados ao cotidiano do aluno;

Os alunos conseguiram reconhecer o Rio Cuiabá como uma fonte importante de água para suas vidas e das gerações futuras.

RESUMO

O presente trabalho é uma proposta metodológica de ensino de matemática de 5ª série aliado a um tema ambiental. O objetivo principal foi sensibilizar os alunos para a importância da água, especificamente do Rio Cuiabá, através do conteúdo de volume. Utilizou-se diferentes estratégias de ensino como redações, aulas práticas e apresentação do trabalho na escola. Para avaliar a metodologia foram feitas anotações no decorrer do trabalho e duas redações, uma no início e outra no final das atividades. Observou-se grande motivação e sensibilização dos alunos e verificou-se que temas ambientais podem e devem ser trabalhados nos conteúdos de matemática.

Palavras-chaves: Educação Ambiental, Matemática, Rio Cuiabá.

 

ABSTRACT

This paper is a methodological proposal for the teaching of mathematics in the 5th grade linked to an environmental theme. The main purpose was to make the students sensitive to the importance of the water specifically of the Cuiabá River , through the quantity of water. Several different teaching strategies were used such as composition, training classes and presentation of the results of their work in the school. To evaluate the methodology, notes were taken during the development of the work and two compositions, one in the beginning and another when they finished the activities. The students were sensible to and highly motivated and it was noted that the environmental themes can and should be worked using mathematics.

Key words: Environmental Education, Mathematics, Cuiabá River.

 

Referências Bibliográficas

ALVES, V. A. P. O Ensino Interdisciplinar na 5ª série do 1º grau do Colégio Master: A comunidade tradicional de Bom Sucesso numa perspectiva ambiental. Cuiabá: Univ. Federal de Mato Grosso, Inst. de Educação, 1997. 141 p. (Dissertação, Mestrado).

BOAVENTURA, Y. I. R. A Natureza e a Literatura Infantil: Um Estudo de Educação Ambiental para a Pré-Escola através da Literatura Infantil. Cuiabá: Univ. Federal de Mato Grosso, Inst. de Educação, 1995. 178 p. (Dissertação, Mestrado).

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: 1988.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. 142 p.

CANIATO, R. Subsídios para uma discussão dentro da Educação Ambiental. Cuiabá. Rev. de Educação Pública: Educ. Ambiental, 2, (2): 77-88. 1993.

CORSON, W. H. Manual Global de Ecologia: O que você pode fazer a respeito da crise do meio ambiente. São Paulo: Augustos, 1993. 412 p.

DIAS, G. F. Atividades interdisciplinares de Educação Ambiental: Manual do Professor. São Paulo: Global/Gaia, 1994. 112 p.

FERREIRA, M. S. F. D. & GUARIM, V. L. M. S. O Ensino Rural numa planície do Médio Rio Cuiabá. Cuiabá. Rev. Educação Pública, 4 (5): 194-203, 1995.

FIGUEIREDO, D. M. A influência dos fatores climáticos e geológicos e da ação antrópica sobre as principais variáveis físicas e químicas do Rio Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Cuiabá: Univ. Federal de Mato Grosso. Inst. Biociências, 1996. 120 p. (Dissertação, Mestrado).

GRECCO, D. O planeta água está secando. Rev. Globo Ciência, 8, (85): 54-61, 1998.

GUARIM, V. L. M. S. Conservação da Natureza e Educação em comunidade ribeirinha tradicional. Cuiabá: Univ. Fed. de Mato Grosso, Inst. de Educação, 1995. 165 p. (Dissertação, Mestrado).

GUARIM NETO, G. & DE-LAMONICA-FREIRE, E. M. A Botânica e a Prática da Educação Ambiental. Cuiabá. Rev. de Educação Pública, 4, (5): 183-193, 1995.

MAGOSSI, L. R. & BONACELLA, P. H. Poluição das Águas. 16ª ed. São Paulo: Moderna, 1997. 56 p.

MARQUES, D. A.; FARIAS, I. R. & AMORIM, I. M. Piscicultura: Otimização do lucro obtido no cultivo do pacú (Colossoma mitrei) e curimbatá (Prochilodus lineatus) a partir de alevinos originários de fecundação artificial realizada por pesquisadores da Estação de Piscicultura da EMPA. Cuiabá: Univ. Fed. de Mato Grosso. Depto. de Matemática, 1988. 35p. (Monografia, Especialização).

MATO GROSSO. Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEMA). Qualidade da água dos principais rios da Bacia do Alto Paraguai: 1995/96. Cuiabá. 1997. 118 p.

RABELO Jr., F. A. A Prática da Educação Ambiental com alunos do 2º grau: um estudo de caso. Cuiabá. Rev. de Educação Pública, 5, (7): 106-114, 1996.

SATO, M. Educação Ambiental. São Carlos: PPG-ERN/UFSCar, 1994. 52p.

Agradecimentos

Pelas sugestões dadas a este trabalho, agradeço aos professores: Daniela Maimoni de Figueiredo, Edna Lopes Hardoim, Maria Saleti F. D. Ferreira, Edward B. de Castro, Vera Lúcia M. S. Guarim, e Vera Alice Pexe Alves.